Corujinha 01
Destaques

      Corujinha 02
Ajuda Humanitária.


      Corujinha 03
Animais.


      Corujinha 04
Artesanato de lixo reciclável.


      Corujinha 05
Casa.


      Corujinha 06
Ciência.


      Corujinha 07
Como Surgiu.


      Corujinha 08
Curiosidades.


      Corujinha 09
Drogas.


      Corujinha 10
Ecologia.


      Corujinha 11
Esportes.


      Corujinha 12
Filmes.


      Corujinha 13
Instrumentos Musicais.



      Corujinha 15
Mamães e Bebês.


      Corujinha 16
Maquiagem.


      Corujinha 17
Mitos e Verdades.


      Corujinha 18
Notícia no Mundo.


      Corujinha 19
Novo acordo Ortográfico.


      Corujinha 20
Paisagismo e Jardinagem.


      Corujinha 21
Pescaria e piscicultura.


      Corujinha 22
Politica.


      Corujinha 23
Primeiros Socorros.


      Corujinha 24
Receitas.


      Corujinha 25
Salve o Planeta e a Biodiversidade!


      Corujinha 26
Saúde.


      Corujinha 27
Sexualidade.


      Corujinha 28
Situações Diárias.


      Corujinha 29
Sociedade.


      Corujinha 30
Tecnologia.


      Corujinha 31
Turismo, Lugares, Viagens.


      Corujinha 32
Universo.


      Corujinha 33
Vida e diversidades.


Vasco da Gama.

Orçamentos de Laguinhos www.laguinhos.com.br
Monte em instantes o orçamento para seu laguinho.


Filtros Biológicos www.fontesechafarizes.com.br
Veja on-line que custa muito pouco acabar com as algas.


Anti-algas e Anti-Cloro www.filtrouv.com.br
O fim das algas em seu lago.

                                                         
                                                        

A fundação do clube.

Na virada do século XIX, o remo era o esporte soberano no Rio de Janeiro, a capital da república. No dia 21 de agosto de 1898, um grupo de 62 rapazes, na sua maioria, imigrantes portugueses, reunido numa sala da Sociedade Dramática Filhos de Talma, no bairro da Saúde, decidiu fundar uma associação dedicada à prática do remo. A ata de fundação começa com as seguintes palavras históricas:

"Aos 21 dias do mês de agosto de 1898, às 2:30 horas da tarde, reunidos na sala do prédio da Rua da Saúde número 293 os senhores constantes do livro de presenças, assumiu a presidência o Sr. Gaspar de Castro e depois de convidar para ocuparem as cadeiras de secretários os senhores Virgílio Carvalho do Amaral como primeiro e Henrique Ferreira como segundo, declarou que a presente reunião tinha o fito de fundar-se nesta Capital da República dos Estados Unidos do Brasil, uma associação com o título de Club de Regatas Vasco da Gama (...)"

A ata de fundação prossegue relatando o procedimento adotado para eleger a primeira diretoria do clube.

Terminada a apuração, foi eleito para presidente o comerciante Francisco Gonçalves do Couto Junior, com 41 votos. A sessão terminou às 3:45 da tarde.

Dois meses mais tarde, em 24 de outubro, foi enviado o pedido de filiação à União Fluminense de Regatas.

A escolha do nome, pavilhão e emblema.

Inspirados pelas celebrações do quarto centenário da descoberta do caminho marítimo para as Índias, os fundadores da nova agremiação lhe deram o nome de Club de Regatas Vasco da Gama, para cujo pavilhão foi escolhido o fundo preto, representando os mares ignotos do Oriente; atravessado por uma faixa branca, inicialmente horizontal, mas logo mudada para diagonal, representando a rota desbravada pelo almirante português; com uma Cruz de Malta no centro, símbolo ostentado pelas caravelas portuguesas da época dos "descobrimentos".

                                                            
              
Em 1903, foi adotado um emblema circular que exibia uma caravela com a Cruz de Malta e, em 1922, foi criado o escudo atual, onde a caravela aparece no centro do fundo negro cortado pela diagonal branca, com as iniciais CR e VG entrelaçadas, respectivamente, acima e abaixo da faixa diagonal.

                                                                                
                                                          
O primeiro uniforme usado pelos remadores vascaínos já tinha a faixa diagonal, porém na direção oposta á faixa do uniforme dos dias de hoje. A Cruz de Malta ficava no centro, e não no lado esquerdo do peito, conforme mostra esta ilustração publicada no Jornal do Brasil de 20 de maio de 1902.

                                                                           
                                                                          

O simbolismo da Cruz de Malta.

A guisa de curiosidade, vale mencionar o duplo erro de interpretação que foi cometido na adoção da Cruz de Malta como símbolo do Vasco: o primeiro, heráldico; o segundo, histórico. Segundo os manuais de heráldica, a cruz escolhida para o emblema do Vasco é na realidade chamada de Cruz Patée, ou Pátea, segundo algumas traduções. A Cruz de Malta possui um formato diferente, no qual cada um dos quatro braços da cruz é bifurcado. Mas o fato é que o Estatuto do Clube sempre utilizou esta designação para o símbolo que representa o Vasco. Por outro lado, nem uma nem outra cruz nada tem a ver com Portugal e sua história, e muito menos com o navegador Vasco da Gama. A cruz que as suas naus portavam, assim como todas as caravelas portuguesas, era na realidade a Cruz de Cristo, instituída pelo Rei D. Diniz no século XIV, e que era outorgada aos navegadores lusos em reconhecimento aos seus feitos no além-mar.
     
                                                                         

A primeira sede.

A primeira sede do Vasco ficava num barracão na Ilha das Moças (já desaparecida, aterrada para a construção do atual Cais do Porto).

Um ano depois da sua fundação, o clube quase acabou quando, devido a uma polêmica em torno de uma possível transferência da sede para a Praia de Botafogo, o seu primeiro presidente, Francisco Gonçalves do Couto Junior, renunciou e fundou o C.R. Guanabara, levando consigo a diretoria e todo o material que lhes pertencia, incluindo barcos e os uniformes, e deixando o clube na penúria. Mas o Vasco não só sobreviveu, como estava destinado a glórias que seus fundadores nem nos seus sonhos mais delirantes poderiam vislumbrar.

Criação do setor de futebol.

O início do século XX testemunhou, além das vitórias obtidas no mar pelo Vasco, o surgimento de um novo esporte no Rio de Janeiro, importado da Inglaterra. Apesar de praticado principalmente por rapazes oriundos de familias abonadas, o football foi paulatinamente despertando o interesse da população em geral e sua prática se disseminando, embora sem inicialmente ameaçar a popularidade do remo.

Em 1913, desembarcou no Rio uma seleção de Lisboa, a convite do Botafogo FC, para a inauguração do seu campo na Rua General Severiano. O evento motivou diversos membros da colônia portuguesa a se organizar para a prática do esporte bretão, e três clubes de futebol foram fundados, todos, porém, de existência efêmera. Um deles, o Lusitânia, fundiu-se ao Vasco, trazendo no processo os seus sócios e patrimônio, que consistia de uniformes, chuteiras e bolas de futebol.

Os entendimentos para essa fusão começaram a 11 de novembro de 1915, concretizando-se a 26 do mesmo mês e ano, depois da realização de assembléias onde foram analisadas tanto posições favoráveis como contrárias, já que a resistência à criação de um setor de futebol no clube era grande por parte de vários sócios mais ligados ao remo. Acabou sendo necessária até uma modificação no estatuto do clube para que a iniciativa tivesse êxito.

Depois de efetivada a adesão do grupo do Lusitânia e da posse da nova diretoria eleita para o ano de 1916, foi feito o requerimento para a filiação à Liga Metropolitana de Futebol, que comunicou sua aprovação em 29 de fevereiro.

O uniforme.

O uniforme do Lusitânia SC era semelhante ao da seleção de Lisboa: Camisa preta com punhos e golas brancas e calção branco. Após a absorção do Lusitânia pelo Vasco, este uniforme foi mantido, com uma pequena alteração, que foi a adição da Cruz de Malta em substituição á esfera armilar portuguesa no lado esquerdo do peito. O uniforme assim permaneceria até a década de 1940, quando a faixa diagonal branca usada desde o início pelas guarnições de remo foi incorporada. Data também dessa época o uniforme branco com a faixa diagonal negra.
 
                                                          
 

A primeira partida oficial.

Após começar a praticar o futebol no final de 1915, o Vasco não perdeu tempo e filiou-se à Liga Metropolitana para participar da temporada de 1916, sendo integrado à terceira divisão. E realmente começou por baixo: Na primeira partida oficial, uma derrota por 10 a 1 para o "valoroso" quadro do Paladino FC. O gol histórico - o primeiro da história do Vasco em partidas oficiais - foi marcado por Adão Antônio Brandão.

A primeira vitória.

Apesar da goleada contundente sofrida na estréia, os vascaínos não desanimaram. No mesmo ano de 1916, no dia 29 de outubro, o Vasco obteve a sua primeira vitória no futebol, derrotando por 2 a 1 a equipe do River, no campo do São Cristóvão. Os gols foram de Cândido Almeida e Alberto Costa Junior. Uma vitória que surgiu em condições especiais, pois o River só pode contar com nove jogadores. Esta vitória não evitou, porém, a colocação final do Vasco em último lugar no campeonato. Pior que isso: Foram os únicos pontos conquistados. Era óbvio que a equipe precisava de mais do que apenas entusiasmo.

O verdadeiro clube do povo.

Nos anos seguintes à estréia na terceira divisão, o nível do time vascaíno foi melhorando, certamente graças ao atrevimento de não discriminar negros e mulatos. Apesar de ser basicamente um clube de colônia, o Vasco seguia a boa tradição portuguesa da mistura, ao contrário dos tradicionais grandes clubes de futebol do Rio. Estes, via de regra, não somente não aceitavam indivíduos de cor em seus quadros sociais, como alguns chegavam ao extremo de admitir exclusivamente ingleses e seus descendentes - caso do Paysandu, campeão de 1912, e do Rio Cricket.

Ao contrário dos grandes clubes de futebol do Rio, desde a sua fundação o Vasco esteve aberto a brasileiros de todas as origens e classes sociais, além dos portugueses, tendo tido, inclusive, um presidente mulato, Cândido José de Araújo, eleito para o período de agosto de 1904 a agosto de 1905 e reeleito para o período seguinte, até agosto de 1906. Foi sob a sua presidência, em 24 de setembro de 1905, que o Vasco se sagrou campeão carioca de remo pela primeira vez na sua história.

O Lusitânia havia sido um clube fechado, só para portugueses, mas, ao ser absorvido pelo Vasco, foi a filosofia aberta deste que prevaleceu. Para reforçar a sua equipe de futebol, o Vasco ia recrutando sem discriminação aqueles que se sobressaíam nas peladas de subúrbio e nos clubes pequenos. Assim, enquanto os jogadores dos aristocráticos clubes grandes eram praticamente todos brancos ricos, a maioria acadêmicos, os jogadores do Vasco eram de profissão humilde, sendo que alguns mal sabiam assinar o nome. Anos mais tarde, o clube chegaria até a contratar um professor de gramática, satisfazendo uma exigência da Liga - leia-se, dos clubes rivais, sempre a procura de pretextos para hostilizar o Vasco.

A ascensão à primeira divisão.

Apesar do Vasco haver terminado a sua participação na terceira divisão do campeonato de 1916 em último lugar, passou à segunda divisão do certame do ano seguinte, pois, devido a filiação de novos clubes à Liga Metropolitana, foi feita uma reformulação, resultando no aumento do número de clubes para dez em cada uma das três divisões. O Vasco permaneceu na segunda divisão até 1920. Para a temporada de 1921, houve nova modificação na estrutura das divisões. A primeira divisão foi dividida em duas séries, com sete clubes em cada uma: A série A com os sete primeiros colocados da primeira divisão de 1920, e a série B com os três últimos colocados da primeira divisão mais os quatro primeiros colocados da segunda. Como o Vasco tinha alcançado o quarto lugar na segunda divisão, foi classificado para a série B.

Finalmente, em 1922, o Vasco venceu as três categorias da série B - primeiro, segundo e terceiro quadros - proeza que deu ao Vasco a posse temporária da rica Taça Constantino, instituída naquele ano pela firma José Constante & Cia. Foi o primeiro troféu conquistado pelo Vasco no futebol. O Vasco conquistaria a posse definitiva da Taça Constantino em 1924, quando acumulou a maior pontuação nos campeonatos das três categorias durante os três anos em que a Taça foi disputada.

O título da categoria de primeiros quadros da série B de 1922 deu ao Vasco o direito de disputar a promoção à série A numa partida, chamada na época de "eliminatória", contra o último colocado da série A, que tinha sido o São Cristóvão. A partida terminou empatada e, como o regulamento não previa uma partida desempate, a Liga decidiu aumentar o número de participantes da série A de sete para oito, evitando desta maneira o rebaixamento do São Cristóvão e garantindo a participação do Vasco no campeonato do ano seguinte, na companhia de, entre outros, Flamengo, Fluminense, Botafogo e o América, clube que havia se sagrado "Campeão do Centenário" na série A.

O primeiro título e o início da rivalidade com o Flamengo.

A princípio, os clubes grandes nem ligaram para a entrada do Vasco na série A em 1923. Que é que podia fazer um clube de segunda divisão, cuja maioria dos jogadores residiam em alojamentos na Rua Morais e Silva, ao lado dum campinho de treinamento tão ruim que nem para jogos oficiais servia? Os portugueses do Vasco, pensavam eles, que botassem no seu time quantos crioulos quisessem, mas tudo continuaria como sempre foi, com os brancos vencendo os campeonatos e os pretos nos seus lugares, nos clubes pequenos.

Só que o Vasco, graças a um forte regime de treinamentos ministrado pelo técnico uruguaio Ramon Platero, atravessou o primeiro turno sem perder um ponto sequer. E quanto mais vencia, mais os estádios se enchiam de gente que nunca tinha visto um jogo antes. O desprezo se transformava em inveja e as torcidas adversárias se uniam, a um só tempo humilhadas por verem seus galantes "players" superados por um "team de negros" rumo ao título invicto e frustradas por perderem dinheiro em apostas semanais com portugueses. O Vasco era um fenômeno: Com seu time brasileiríssimo, era acusado pelos adversários filo-britânicos de ser um intruso estrangeiro, ou pelo menos, português.

Com o Vasco já praticamente campeão, a questão era se alguém conseguiria tirar a sua invencibilidade. A invencibilidade caiu finalmente em um dos últimos jogos da temporada, contra o Flamengo, no que acabaria por ser a única derrota da brilhante campanha. O encontro foi conturbado e os vascaínos contestaram a estranha anulação, por parte do árbitro Carlito Rocha, do Botafogo, do gol que seria o de empate. Terminada a partida, disputada no estádio do Fluminense, os torcedores do Flamengo, aos quais se juntaram os de outros clubes, saíram em passeata pelas ruas desde as Laranjeiras em direção à Lapa, festejando como se tivessem ganho o campeonato. Pelo caminho, na Glória, "enfeitaram" um busto de Pedro Álvares Cabral com um colar de résteas de cebola, e chegando na Lapa, concentraram-se em frente ao restaurante Capela, tradicional reduto vascaíno, com um dos carros da procissão exibindo um tamanco de mais de dois metros, retirado da marquise de uma loja. Aí o pau comeu, e assim começou a rivalidade Vasco-Flamengo.

                                                            

Por: Mauro Paz.
Ana Paula e Equipe Manja de Tudo.
Orçamentos de Laguinhos www.laguinhos.com.br
Monte em instantes o orçamento para seu laguinho.


Filtros Biológicos www.fontesechafarizes.com.br
Veja on-line que custa muito pouco acabar com as algas.


Anti-algas e Anti-Cloro www.filtrouv.com.br
O fim das algas em seu lago.


    
   © 2011 Manja de Tudo.     www.manjadetudo.com.br.     Contribua conosco enviando sua dica, pergunta ou sugestão aqui.